Síndrome de Burnout: Professores à beira de um ataque de nervos

Sad-Teacher

A princípio é importante definir o que é stress, situação a qual todos nós estamos sujeitos ao longo de nossas atividades diárias. Diferentemente do que pensa a maioria das pessoas, o stress não é uma enfermidade, mas um mecanismo natural de reação do organismo as dificuldades, problemas e questões que se apresentam e que acabam de algum modo nos tirando da zona de conforto, da segurança que normalmente temos em nossos cotidianos.

É, portanto, necessário que tenhamos tais reações, como autêntico “mecanismo de sobrevivência”, a nos deixar alertas e guiar-nos em nossas ações frente ao inesperado. Isso acontece tanto em situações-limite, como por exemplo, um assalto ou um acidente de automóvel, quanto naquelas mais corriqueiras, como começar num novo emprego ou enfrentar uma discussão com o chefe no trabalho.
Quando nos vemos diante de tais situações acionam-se hormônios (cortizol e adrenalina), que regulam o organismo e fazem com que tenhamos dois tipos de ação frente aos quadros com os quais nos deparamos, a saber: ou enfrentamos ou fugimos. E o nosso cérebro registra a forma como reagimos e vai fazendo com que isso se torne a ferramenta mais frequente a ser utilizada, ou seja, se batemos de frente, ainda que aquilo de algum modo gere insegurança, sabendo dos prós e contras da situação, esta passará a ser a reação normal que teremos em outras situações-limite. Se corrermos da raia, fugindo da situação, será então esta a base operacional de nosso organismo quando colocados em xeque. Este stress, considerado nível 1, é portanto necessário ao ser humano.
O problema é que, além dele, há ainda 4 outros níveis de stress e, quanto mais “evoluímos” nesta escala, significa dizer que mais problemas temos. Vamos afundando porque deixamos os problemas tomarem conta de nosso cérebro e isso, certamente, vai prejudicando aspectos físicos, emocionais, profissionais…
O mais elevado de todos os níveis de stress é conhecido pelo termo “burnout”, que traduzido ao pé da letra significa “combustão”. É exatamente esta figura que caracteriza com precisão o que está acontecendo com uma pessoa acometida pelo burnout. É como se a pessoa fosse consumida pelos problemas e já não tivesse poder de reação.
Neste estágio as pessoas não tem vontade de trabalhar, demonstram clara ansiedade, estão sempre desanimadas, sentem efeitos físicos permanentes (como dores de cabeça, nas costas, no estômago…), adquirem doenças crônicas que mesmo aparentemente solucionadas com tratamentos e remédios retornam depois de algum tempo, começam a se afastar de seus colegas e familiares.
A Síndrome de Burnout, assim como os quadros de stress em geral, associam-se ao trabalho, ao ritmo alucinante de vida que hoje prevalece, as cobranças e demandas da sociedade e do mundo profissional e, como resultado, afetam as outras instâncias da vida das pessoas, repercutindo na família, nas amizades, na vida social, no lazer…
A pessoa afetada quer “sumir do mapa”, passa a considerar errada a sua opção profissional, começa a considerar seriamente a ideia de mudar de trabalho e está emocionalmente fragilizada. Como se sente impotente diante das situações que ocorrem em seu trabalho começa a falhar com maior frequência, o que torna ainda mais frágil sua situação perante si mesma e, é claro, diante de seus pares. Precisa de atendimento psicológico e carece de descanso e mudanças em sua vida.
No caso dos profissionais da educação há muitos fatores que estão fazendo com que tais pessoas se tornem os líderes deste ranking tão negativo. Superaram socorristas, médicos, enfermeiros, bombeiros e policiais, outras categorias de risco, ligadas a situações de grande stress em seu cotidiano. Os motivos para isso? É certo que o nível de cobrança aumentou muito por parte de todos os elementos com os quais se relaciona profissionalmente, dos gestores da escola aos alunos, dos pais a sociedade como um todo.
Só isso, no entanto, não explica, pois a competição internacional acirrada com a globalização torna maior a demanda em todos os segmentos profissionais. Podemos pensar também no fato de que os professores hoje não atuam apenas como profissionais da educação, muitas vezes fazem também o papel de pais, psicólogos, amigos…
Não bastasse isso, a comparação entre o trabalho das escolas implementada com os rankings e provas nacionais e internacionais, a despeito de sua clara intenção de promover uma revisão de procedimentos e melhorar o nível da educação pública e privada, também se tornou elemento que de algum modo pressiona os educadores na busca por “mais e melhores blues” na sua seara profissional.
Outro elemento igualmente estressante são as condições gerais de trabalho e os salários e benefícios. Como o holerite dos professores não corresponde em grau, número e gênero as atribuições que têm pela frente, a sua formação acadêmica e tampouco ao nível de exigência social de sua profissão, os salários tendem a terminar antes do mês e, para compensar, a correria aumenta, com várias escolas fazendo parte dos seus afazeres diários.
A insegurança nas escolas, com o aumento de casos de violência atingindo estes profissionais também não ajuda. Aumentam os relatos trazidos pela mídia de atentados contra a integridade física dos educadores. São fatores que se acumulam e que, certamente, não contribuem para uma vida tranquila dos professores em sua rotina de trabalho.
O que fazer? Buscar apoio na família e de terapeutas especializados é um caminho obrigatório. Somente a partir daquilo que estes profissionais, aliados aos familiares, trouxerem é que a situação poderá mudar. Outro aspecto primordial é a mudança dos hábitos diários, com a adoção de práticas que elevem sua qualidade de vida, como por exemplo: dieta balanceada, exercícios físicos regulares, prática de atividades de lazer, interação com família e amigos, participação em eventos culturais, integração a projetos de solidariedade…
A Síndrome de Burnout é quadro clínico grave e seus resultados podem ser devastadores para as pessoas que padecem deste mal. Antecipar-se a este stress é recomendável sempre que possível diagnóstico precoce, mas quando isso não acontecer, o ideal é que o tratamento comece o mais rapidamente possível.
Por João Luís de Almeida Machado

9 thoughts on “Síndrome de Burnout: Professores à beira de um ataque de nervos

  1. O educador não pode perder as estribeiras, caso perca, estará fadado ao fracasso. Hoje, adotei um novo modo de viver, creio que este, irá facilitar bastante o meu relacionamento com os colegas de trabalho e me dará suporte para desempenhar papel satisfatório profissionalmente.

    1. Só quem exerce é que sabe avaliar. Ser Professor é um Ministério e não uma profissão. Se for apenas exercido como profissão, sem vocação, ninguém consegue resistir. Tem de haver: gosto, brio, muita paciência, dedicação e amor, senão é um desgaste constante. Nunca esqueço a frase de uma colega, Julieta Alda de Medeiros, que Deus a tenha . Certo dia, numa reunião, ela proferiu a frase: _ “O Professor… (fez uma pausa ) vai morrendo aos poucos”. E, isto, resume tudo.

  2. Profissão maldita. Maldita hora em que me tornei babá de marginal, palhaça de moleque. Sinto-me envergonhada perante a sociedade, pois todos sabem que é profissão humilhada e mal paga. Mas principalmente envergonhada de mim mesma. Amo ler, estudar e meu trabalho. Odeio as condições, o alunado em sua esmagadora maioria, a falta de respeito.

  3. Excelente reflexão do difícil momento que nós professores estamos atravessando, encontrar saídas para a Educação é a saída, não podemos apenas tratar como um problema de saúde individual. Sandra Sabino Souza

  4. O problema da educação vai além… é um problema social… enquanto a sociedade não melhorar como um todo, a Educação brasileira está fadada ao fracasso…

  5. Concordo em parte. O professor tem a obrigação de fazer seu conteúdo ser suficientemente interessante para que os alunos, se não ajudarem pelo menos não atrapalhem. A maioria dos professores que reclama são os que ministram aquela aula padrão anos 60 que ditam, ou anos 70 que escrevem ou padrão 2000 que passam uma a uma as páginas do power point da aula sem exigir nenhuma interatividade. Acontece que o jovem de hoje em dia, que cresceu com o vídeo game na mão, não quer mais ficar sentado assistindo aula, ele PRECISA estar envolvido, pois acostumou-se a ser protagonista, não platéia. Eu passo meus power points pela internet antes da aula e faço uma roda pra debater na aula. Nunca tive problemas com assédio, violência, etc.

  6. ALESSANDRA DIAS
    Caro companheiro de profissão, na maioria trabalhamos sem nenhum equipamento, no caso power point, esta apenas nos projetos, a maioria dos profissionais ilustram suas aulas com recursos próprios e em comunidades que os assuntos tornam-se piadas, por que os videos games não transmitem conteúdos que possam embasar debates e sem condições culturais os níveis dos diálogos s~e tornam cada vez mais áridos.Este discurso de aulas interessante é politico o que a juventude precisa entender é que precisamos buscar qualidade de vida, mesmo que nos custes assistir umas e outras aulas desinteressantes , mas importantes para o crescimento social.Não se faz milagre em uma sociedade desinteressada em busca apenas de recursos financeiros fáceis, a qualquer custo.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s